autorretrato

O que somos

 

Ao desvendar a área cenográfica, a arte é revelada.

O vestindoacena é um espaço de visualidade da cena, no qual é possível conferir o que está em cartaz, reflexões, bastidores, oportunidades, cursos e especializações, curiosidades, depoimentos, pesquisas, lançamentos, festivais, estreias…

Qual um mistério sem dono, nomes surgem à tona. O vestindoacena abre um leque, tanto de colaboradores quanto na diversidade de profissionais retratados, possibilitando estabelecer e ampliar lentamente um mapeamento da área.

Os elementos cênicos que “vestem” a cena ao longo de todo um processo de pensamento, estudo, desenho, criação, execução, para servirem à encenação e depois se descomporem no término da temporada é o foco deste site. Registrando aqui o processo, cacos podem resistir e, juntos, recomporem a importância de trabalhos, formando a história do exercício da profissão do cenógrafo, figurinista, iluminador, sonoplasta…

Vestir a cena com palavras e reflexões é a intenção deste site. O uso do gerúndio (“vestindo”) é para estimular que este ato, já constante no dia-a-dia do fazer teatral, seja permanente também por aqui. Não só com os artigos dos colaboradores, mas também com comentários e análises dos internautas afins.

A estreia se deu. Que a temporada seja ininterrupta!

Colabore! Participe! Envie seus comentários, textos, dicas…

Contato: contato@vestindoacena.com

 

Histórico

A ideia de criar um blog para que se tornasse um espaço livre para a reflexão sobre figurino começou em 2003, mas somente quatro anos mais tarde é que foi concretizada, na cobertura da Quadrienal de Praga 2007, o maior evento da área cenográfica no mundo.

Após intensas colaborações e já tendo criado uma grande rede de relacionamento, em 2011, com o envolvimento na concepção e produção da representação brasileira na Quadrienal de Praga, a atenção se voltou para a criação e publicação do site do evento e os posts aqui se tornaram mais eventuais.

Aproveitando a cobertura do World Stage Design, em Cardiff e o II Seminário Internacional de Estudos e Pesquisas em Figurino (SIEP Figurino), que acontece grudadinho ao 9º Colóquio de Moda, em Fortaleza, o vestindoacena volta com força total. Totalmente reestruturado e em formato de site, com o banco de dados organizado e muitas novidades, incluindo reportagens em vídeo.

 

Parece-me indispensável distinguir a crônica da história. O TEATRO é a História, o ESPETÁCULO a crônica; estas personagens chamadas diretor, ator, cenógrafo, figurinista, iluminador, músico etc são os componentes de uma crônica que muito tempo depois de suas existências passará a ser História: a História destrói a crônica e quando esta, de uma forma ou de outra, consegue sobreviver se transforma em anedota: não preciso exemplificar.

A cenografia e o figurino têm uma vantagem sobre os outros aspectos do espetáculo que, uma vez acabado, é irrepetível: o projeto, o desenho, o croqui sobrevivem, mas, por estarem separados do espetáculo propriamente dito, assumem as características das artes plásticas; admiramos então, se for o caso, a elegância de uma gravura, a criatividade de uma roupa, a beleza pictórica de uma prancha: quer dizer, criamos uma memória fictícia do que talvez possa ter sido um espetáculo e emprestamos ao TEATRO uma dimensão estética, suporte de seus valores poéticos e históricos; a crônica do espetáculo morreu e os aspectos complementares do texto inicial assumiram valor anedótico. (RATTO, Gianni. A Mochila do Mascate, 1996, p.74-75)