Luciana Buarque

LUCIANA BUARQUE

 

Historiadora, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais, começou a trabalhar com figurino com o artista plástico pernambucano Romero de Andrade Lima. Participou de diversas produções de longas-metragens, teatro, televisão e shows. Foi indicada a vários prêmios, duas vezes premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

Seu primeiro figurino foi na peça Romeu e Julieta, do grupo Galpão, dirigida por Gabriel Villela. Na TV fez Uma mulher vestida de sol, Hoje é Dia de Maria I e II, e A Pedra do Reino, Subúrbia, Correio Feminino e Histórias de Alexandre, em parceria com Luiz Fernando Carvalho. Fez também projetos em parceria com Guel Arraes, João Jardim, Maurício Faria, entre outros. No cinema fez O Mandarim, de Julio Bressane; Tiêta do Agreste, de Cacá Diegues; Sudoeste, de Eduardo Nunes; Nosso lar, de Wagner Assis; Ao Relento, de Julia Zakia; Meu Pé de Laranja Lima, de Marcos Bernstein; e Minutos Atrás de Caio Só. Teve seu trabalho na Mostra Brasileira da Quadrienal de Praga, que ganhou a Triga de Ouro prêmio máximo da Quadrienal.

Desenvolveu figurinos paras os editoriais fotográficos Contos de Cristal, As Cores de Suburbia e Nasce uma Atriz, para o caderno Ela – O Globo.

Recentemente fez o figurino para o musical Os Saltimbancos, de Charles Moeller e Claudio Botelho, indicado ao prêmio Cesgranrio de melhor figurino, e o elogiado “Mas Por que? A História de Elvis”, dirigido por Renato Linhares.

Como Diretora de Arte assinou o desfile Rôpa, dirigido por ela mesma; Delírio e Vertígem e O que você foi quando era criança?, peças teatrais dirigidas por Rita Clemente.

Estreou como diretora artística e dramaturga no espetáculo A Caligrafia de Dona Sofia.